domingo, 30 de abril de 2017

   
Hoje uma pessoa bastante importante que desejei por duas eternidades conhecer me acusou de desrespeito. Verificando o problema conclui: cada vez mais fico irritado com pequeníssimas coisas que acontecem ou que ela tem como verdade ou mentira.
Depois de ponderar sobre o assunto percebi que respeito é muito mais do que ser educado ou polido, é estar correto.
Entendi que o seu comportamento e alguns dos seus sentimentos em certas ocasiões são uma falta de respeito com quem eu sou e com quem as outras pessoas são. Essa pessoa supostamente bela e rara me lembrou que ela mudou, que não é mais a mesma pessoa, concordei, percebi que ela estava certa. Ela não tem mesmo educação e muito menos, escrúpulo, enfim, não aceita um horário atrasado. Não aceita uma fala mal dita. Não aceita que é possível ser diferente. Ela se acha o máximo, mas ainda toma decisões baseadas em palavras de amigos e amigas fracassadas e perdedoras. Ainda se acha rebelde, mas acampa no quintal da casa do papai. Ela tem a segurança que só a ignorância é capaz de produzir.Odeia o convencional, mas aceita ser paga em dólar. Não vê a programação da Tv porque é muito malfazeja, muito menos lê um texto confuso, ou ouve uma interpretação errada a propósito de um assunto trivial.
Porém, às vezes, ela ainda chega atrasada, ainda não sabe falar corretamente, ainda usa filosofia de quintal manejada por doutrinadores frustrados. Ainda escreve textos confusos e ouve apenas o que cabe na sua limitada equalização educacional.
Fiquei calado, avaliei as palavras proferidas por ela e percebi que estava diante de uma pessoa, corriqueira, trivial que não entende nada sobre respeito e compreensão, uma pessoa mesquinha com ideias conflitantes entre ser rica e promover o socialismo, uma pessoa que não se respeita e que não se valoriza em primeiro lugar.

E essa é uma das atitudes mais flagelantes e asquerosas que não admiro nas pessoas que desejam compor o cenário da minha vida.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Não seja hipócrita, dinheiro trás felicidade sim!
Ficar sozinho também.
Manter distância de alpinistas sentimentais e gente que não respeita opinião alheia, também faz muito bem.

cheers!Long life to me.

sábado, 10 de dezembro de 2016


Road to the moon

segunda-feira, 30 de maio de 2016


É muito bizarro observar, sem janelas, o comportamento atual de uma parcela da população, bizarro e triste.
O que diferencia o cangaço de Lampião, Procrustes da mitologia Grega, Lhamas Peruanas e Tucanos Brasileiros? Nada.
Os militantes brasileiros estão ficando cada dia mais parecidos com os nacional-socialistas alemães dos anos 20-30. Mas pra que falar disso aqui, eles não tem mesmo ideia do que foram aquelas bestas quadradas alemãs filocomunistas tão parecidas com os que vejo hoje.
Sabe porque isso acontece?
Ora, você gastou muito tempo fazendo politica estudantil, gastou tempo demais lendo livros pra adestrar o cérebro com ideias delirantes, estudando Karl Marx, Marilena Chauí...
Tentando conversar com esses militantes eu me lembro do Karl Popper, ele dizia: “Não é possível discutir com alguém que prefere matar-nos a ser convencido pelos nossos argumentos.”
Até um doutor em ciência e economia politica, anarquista declarado, Jesús Huerta de Soto, fala em alto e bom som: “O marxismo é a maior fraude intelectual de toda a história do pensamento humano”.
Os intelectuais de fato, não os pseudos intelectuais que vivem da lei Ruanet, também opinam a favor de mudanças. Mas é mais fácil pensar igual ao bandoleiro      conhecido como "Procrustes", "Procusto", "Damastes" ou "Polipémon" que queria tornar todas as pessoas iguais, então às atacava e as prendia em uma cama, o famoso leito de Procrustes, cortando pedaços delas quando eram muito grandes ou as esticando em barras de metal quando eram pequenas. É uma lição mitológica poderosíssima sobre o pensamento de esquerda e a busca por “igualdade” entre humanos diferentes. Também se nota que o leito de Procrustes afeta o cérebro de pessoas que militam em manada. É muito perigoso pensar em bloco. À esquerda no mundo nunca atingiu uma igualdade econômica, mas produziu pensamentos rigorosamente idênticos em seus acólitos. É como se seus raciocínios saíssem de uma linha de produção fordista. Enquanto à direita, de Maritain a Louis Lavelle, de Eric Voegelin a Olavo de Carvalho, busca a consciência individual e uma noção de si mesmo perante um mundo hostil com um certo e um errado nem sempre claros, a esquerda pensa em manada, confiando no poder da boiada e do modismo. É o que Erik Von Kuehnelt-Leddihn chama de rebanhismo.


*
*

terça-feira, 24 de maio de 2016


Você não conversa, reclama.
Você não opina, informa que está certa.
Você não questiona, impõe o seu ponto de vista.
Você não ouve, apenas fala e fala e fala...
Você diz que é inteligente, mas não sabe o que é o 47° Teorema de Pitágoras.

Que refinamento e esse? Que educação é essa?
*

*

segunda-feira, 2 de maio de 2016




Sabe, queria te encontrar, não nas circunstancias que conheci, mas agora, depois de todo tempo para apreciar a vida ruim, a vida boa. Queria te encontrar para te dar um abraço, para ouvir os acordes dedilhados com perfeição nessa guitarra emprestada do menino branco que olhou-me com cara de nojo.
Gostaria de dizer que sou seu herói, que você foi e é meu herói, por todas as noites mal dormidas, por todas as palavras chulas que ouvi nas ruas quando estava eu vivendo e dormindo “poor” lá.
Você é admirado pela sabedoria da vida, da morte, da música que exala na ponta dos dedos.
Sou você, me vejo em você, somos um, sinto a sua presença, sofro a sua dor porque vivi também exatamente assim. Vivi o acaso de ser unicamente só. De ser admirado quando o imprevisto abraçou a tristeza sombria da vida. Sim você é meu herói  porque sou você.

domingo, 10 de abril de 2016

Criando mentira. Detestando quem eu sou. Reinventando a babaquice.
Você está cada dia mais patética , minha pequena estátua danificada.

*
*

a arte de dizer não.

Eu gosto de infâmia. Por isso sem meias verdades aqui. Tenha a bondade!