quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012


Tarde de sol arrogante, prédios se levantam estupefacientes na barbitúrica claridade de um verão que chegou. Olho pra o céu do leste e vejo na luz de uma procissão de nuvens abrindo caminho.
enquanto o caminho existe e o endereço não finda, penso nas coisas todas, nos  monumentos erguidos sobre a capa fina da terra.
repara em todos os elementos que compõem a terra e repara no modo como todos eles se combinam na fazedura das coisas – repara nos estames de hibisco, repara na floração das árvores, repara ainda como são vastos os prados, como são vastos os prédios entrecortados de nefasta fuligem, neles se pode divisar um horizonte aberto, neles se pode pressentir a linha de curvatura da terra.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012





Anoitece contigo. E me anoitece

Vai vir o tempo em que você, sentada na esquina do pensamento, vai sentir saudades minhas chegando a sua porta...
Vamos trocar sorrisos de boas vindas
Você vai dizer: estava com saudade... no mesmo instante vai amar o estranho que um dia fui. Devolva seu coração pra ele mesmo, o estranho que o amou por toda a sua vida   e a        
quem você ignorou
Pegue na sua caixa de correspondência as cartas de amor, as anotações, as despedidas, descasque seu reflexo no espelho.
Sente-se. Sirva-se da vida.

a arte de dizer não.

Eu gosto de infâmia. Por isso sem meias verdades aqui. Tenha a bondade!