segunda-feira, 2 de maio de 2016




Sabe, queria te encontrar, não nas circunstancias que conheci, mas agora, depois de todo tempo para apreciar a vida ruim, a vida boa. Queria te encontrar para te dar um abraço, para ouvir os acordes dedilhados com perfeição nessa guitarra emprestada do menino branco que olhou-me com cara de nojo.
Gostaria de dizer que sou seu herói, que você foi e é meu herói, por todas as noites mal dormidas, por todas as palavras chulas que ouvi nas ruas quando estava eu vivendo e dormindo “poor” lá.
Você é admirado pela sabedoria da vida, da morte, da música que exala na ponta dos dedos.
Sou você, me vejo em você, somos um, sinto a sua presença, sofro a sua dor porque vivi também exatamente assim. Vivi o acaso de ser unicamente só. De ser admirado quando o imprevisto abraçou a tristeza sombria da vida. Sim você é meu herói  porque sou você.

Nenhum comentário:

a arte de dizer não.

Eu gosto de infâmia. Por isso sem meias verdades aqui. Tenha a bondade!