domingo, 30 de abril de 2017

   
Hoje uma pessoa bastante importante que desejei por duas eternidades conhecer me acusou de desrespeito. Verificando o problema conclui: cada vez mais fico irritado com pequeníssimas coisas que acontecem ou que ela tem como verdade ou mentira.
Depois de ponderar sobre o assunto percebi que respeito é muito mais do que ser educado ou polido, é estar correto.
Entendi que o seu comportamento e alguns dos seus sentimentos em certas ocasiões são uma falta de respeito com quem eu sou e com quem as outras pessoas são. Essa pessoa supostamente bela e rara me lembrou que ela mudou, que não é mais a mesma pessoa, concordei, percebi que ela estava certa. Ela não tem mesmo educação e muito menos, escrúpulo, enfim, não aceita um horário atrasado. Não aceita uma fala mal dita. Não aceita que é possível ser diferente. Ela se acha o máximo, mas ainda toma decisões baseadas em palavras de amigos e amigas fracassadas e perdedoras. Ainda se acha rebelde, mas acampa no quintal da casa do papai. Ela tem a segurança que só a ignorância é capaz de produzir.Odeia o convencional, mas aceita ser paga em dólar. Não vê a programação da Tv porque é muito malfazeja, muito menos lê um texto confuso, ou ouve uma interpretação errada a propósito de um assunto trivial.
Porém, às vezes, ela ainda chega atrasada, ainda não sabe falar corretamente, ainda usa filosofia de quintal manejada por doutrinadores frustrados. Ainda escreve textos confusos e ouve apenas o que cabe na sua limitada equalização educacional.
Fiquei calado, avaliei as palavras proferidas por ela e percebi que estava diante de uma pessoa, corriqueira, trivial que não entende nada sobre respeito e compreensão, uma pessoa mesquinha com ideias conflitantes entre ser rica e promover o socialismo, uma pessoa que não se respeita e que não se valoriza em primeiro lugar.

E essa é uma das atitudes mais flagelantes e asquerosas que não admiro nas pessoas que desejam compor o cenário da minha vida.

Nenhum comentário:

a arte de dizer não.

Eu gosto de infâmia. Por isso sem meias verdades aqui. Tenha a bondade!